Carta ao meu bebé (prematuro)

Canon EOS 5D Mark II1391
Canon EOS 5D Mark II1393
Canon EOS 5D Mark II1388
Canon EOS 5D Mark II1392
Canon EOS 5D Mark II1390
Canon EOS 5D Mark II1389

querido valentim,

porque hoje é o dia mundial da prematuridade, não poderia deixar de te contar esta história, que é a tua história, de quando resolveste vir ao mundo mais cedo que o previsto.

sim, tu és um prematuro. "o que é um prematuro, mamã?", vais perguntar-me um dia. um prematuro é um bebé que nasce antes do tempo, que decide nascer apesar de saber que tem uma dura luta pela frente, é um bebé lutador, um bebé cheio de força para viver e muito, muito valente - por isso te chamas valentim.

a mamã estava grávida de 35 semanas quando as águas rebentaram, mesmo no fim da sessão fotográfica (devias ter as unhas bem afiadinhas!). naquele momento não percebi muito bem o que estava a acontecer. mas dois segundos depois percebi que eras tu, cheio de pressa para vir ao mundo. nervos, muitos nervos. "e agora o que é que eu faço com toda aquela informação do curso de preparação para o parto?", pensei eu. corremos para o hospital. a mamã sentia um friozinho muito grande na barriga porque sabia que tu estavas a caminho. queria-te conhecer, mas ao mesmo tempo, tinha muito medo que algo te acontecesse por quereres nascer com apenas 8 meses de gestação.

quando tu nasceste, e eu te vi pela primeira vez, não tenho bem a certeza se o tempo parou naquele instante ou se o meu coração palpitava mais rápido que o tempo permitia. amei-te logo ali naquele momento, e pensei, enquanto permanecias ali deitado sobre o meu peito, que não queria ficar longe de ti nem por um segundo. foi então que o doutor disse que te tinha que levar para a neonatologia porque tu não estavas a conseguir respirar. fiquei destroçada. senti o meu coração a esvaziar-se de todas as coisas boas que tu me tinhas trazido com o teu nascimento. e naquele momento, eu nem podia imaginar o quão difíceis, emotivos e dolorosos seriam os próximos 13 dias.

tive que esperar 4 horas para te poder ver. e enquanto esperava para me poder levantar da cama, eu ía assistindo de lágrimas nos olhos às outras mamãs a entrarem no quarto com os seus bebés nos braços. se foi doloroso para mim? não quanto como foi para ti meu amor, mas tu mostraste ser muito valente. assim que a mamã se pôde levantar, correu para a neonatologia para te ver, e quando te voltei a ver, tu já estavas todo ligado a máquinas por meio de tubos e sondas, todo picado por agulhas nos bracinhos e nas perninhas, e eu mal conseguia olhar para ti, pois cada vez que te via naquela situação, não podia deixar de pensar o quanto estavas a sofrer.

a mamã entrou em choque. nunca havia sentido tanto medo na minha vida, como o medo que eu tinha de te perder. era tudo muito confuso e incerto. os doutores e as enfermeiras não nos davam garantias de nada. o teu estado era delicado e ninguém nos dizia o que nós queríamos ouvir. nessa noite não dormi, sempre a pensar como é que tu estavas, se ainda estarias vivo quando eu te fosse ver na manhã seguinte. e quando amanheceu, eu tinha muito medo que tivesses regredido. mas enchi-me de coragem, e preparei-me para o pior. era insuportável para mim ver-te ali na incubadora tão frágil, a lutar pela vida a cada segundo. coloquei o meu dedo dentro da incubadora e tu agarraste-o com força. foi aí que percebi que tu estavas a ser muito mais corajoso e valente do que eu. mas também foi aí que eu soube que não era uma luta apenas tua, mas também nossa. a partir desse momento, das 9 da manhã às 9 da noite, eu não saía de perto de ti, nem por um momento. constantemente a olhar por ti. assisti aos teus processos e retrocessos. vivi cada momento de alarme e de vitória. olhava por ti de dia, e de noite orava para que Deus enviasse os seus anjos para te proteger.

não foi fácil voltar para casa sem ti. tive que esconder o teu berço no quarto ao lado. mas aos poucos e poucos, tu aprendeste a respirar, aprendeste a comer, e nós aprendemos a ser mais fortes, a sermos felizes com aquilo que a vida nos dá, e a confiarmos mais em Deus e nos seus milagres.

e tu, meu querido valentim, és um dos Seus pequenos grandes milagres.

 

english version

Letter for my (premature) baby.

this is a story about our son valentim that born premature. i wrote him a letter about his history, but I can not translate for english, because my english isn't very good. sorry! but if anyone would like to translate it, i will appreciate very much.