Carta ao meu bebé

querido valentim, ultimamente tenho pensado (demasiado) naquilo que eu te posso dar, e confesso que por vezes fico mesmo obcecada, não com o que eu te posso dar, mas com o que não posso.

eu queria comprar-te aquele andarilho de madeira lindo (porque sabes que a mamã gosta de tudo em madeira) para poderes desenvolver melhor os teus primeiros passinhos, mas regressei a casa com aquele sentimento de culpa de que não te posso dar o que tu precisas.

precisavas de uma esponja nova para o banho, mas ainda não foi este mês que a mamã te pôde comprar aquela orgânica de melhor qualidade.

gostava que andasses vestido como os filhos daquelas mamãs que a mamã segue no instagram, e mais uma vez senti-me culpada por teres que vestir as roupas que eram do teu tio.

gostava de te levar ao oceanário e ao jardim zoológico, gostava de te poder levar ao festival do panda e a essas coisas que tu gostas de ver na televisão, gostava de ir contigo e com o papá de férias para o gerês para conheceres o lugar onde os papás casaram, mas penso que ainda não vai ser possível este ano.

mas alguns dias depois de termos visto aquele andarilho na loja, tu agarraste no banco da mesa e começaste a empurrá-lo (a fazê-lo de andarilho), e olhaste-me com aqueles olhos de satisfação e realização pessoal, muito orgulhoso do teu grande feito.

quando te dei banho e mostrei-te a nova esponja, tu deste um gritinho de felicidade e começaste a mordê-la, e mais uma vez olhaste-me com aqueles olhos de felicidade.

quando te vou buscar á escola e encontro-te com as calças rasgadas nos joelhos e a t-shirt toda manchada de preto, é como se me dissesses "ainda bem que temos estas roupas velhas do tio para eu poder brincar à vontade".

e há 3 dias atrás, quando deste os teus primeiros quatro passinhos sozinho mesmo ali à minha frente, e os meus olhos encheram-se de lágrimas, eu pude perceber pela tua cara de alegria que tinhas ido muito mais longe que ao jardim zoológico, ao oceanário ou ao gerês.

por isso, eu hoje quero dizer-te obrigada, meu lindo bebé de 17 meses por me ensinares a encontrar a felicidade onde ela verdadeiramente existe. e espero que, quando tiveres a minha idade, e também tu te sentires tentado a pensar que a felicidade está nas coisas, que te lembres que um dia ensinaste-me que a felicidade está em nós.

com amor, a tua mamã