Moléculas de felicidade

"os momentos são as moléculas que compõem a eternidade!", Neal A. Maxwell

passear no parque a cidade depois de o ir buscar à escola começou a ser um hábito para nós. numa tentativa de compensar aquilo que é impossível compensar, e que tanta dor tem trazido ao meu coração - todas as horas ao longo do dia que passamos longe um do outro. mas queremos tornar o hábito melhor ainda, então em vez de irmos diretamente para o parque, passamos pelo trabalho do papá e levado-lo conosco. é 100 vezes melhor, mais divertido e enriquecedor. neste dia (não foi hoje mas à 5 dias atrás), havia um grupo de capoeira a praticar no relvado. o valentim sentava-se na relva com as mãos e os pés para cima (por não gosta da relva), e andava de forma desajeitada.

regressei a casa a pensar o que é que fizemos de tão especial para eu me sentir tão feliz? nada. não há nada de especial num passeio rápido de fim de tarde no parque, nem no facto de haver um grupo de capoeira a praticar ou um bebé que mal sabe andar a evitar tocar a relva. mas para mim, aquele fim de tarde encheu-se de partículas de felicidade, que me fez desejar repetir o passeio todos os dias, e transformar um hábito que era de nós os dois, numa nova rotina familiar.

é por isso que escrevo. é por isso que tiro fotografias - para não deixar que essas partículas de felicidade se evaporem com o tempo.