Fim de tarde no parque

DSCF2318.jpg
DSCF2369.jpg
DSCF2349.jpg
DSCF2292.jpg
DSCF2301.jpg
DSCF2299.jpg
DSCF2359.jpg
DSCF2415.jpg
DSCF2309.jpg
DSCF2379.jpg
DSCF2383.jpg
DSCF2421.jpg

"Não quero ir para casa!", é a frase da ordem, todos os dias quando o vamos buscar á escola. Depois de um dia sentados à secretária a trabalhar, nós também não queremos ir para casa, e por vezes, o nosso fim de tarde é passado num parque, serra ou praia, dedicando-nos ao il dolce far niente.

No parque, as primeiras folhas caídas das árvores estendem-se como uma manta cor-de-laranja por cima do relvado, anunciando um Outono tímido, escondido atrás de um Verão que teima em não ir embora.

Fins de tarde no parque são para apanhar e colecionar tesouros caídos das árvores  como folhas, bolotas, castanhas, pauzinhos, etc. São para desenhar, brincar à apanhada, cumprimentar os cachorros, jogar à bola, andar no escorrega e molhar-nos todos quando bebemos água do chafariz que salpica para todos os lados.

Fins de tarde no parque são saudáveis, são moléculas de felicidade, são momentos que nos une como família, são divertidos, e são uma boa forma para o miúdo aterrar direitinho na cama depois do jantar e apagar completamente.

Margarida e as papoilas

Estacionario-14.jpg
Estacionario-9.jpg
Estacionario-13.jpg
Estacionario-12.jpg
Estacionario-10.jpg
Estacionario-11.jpg
Estacionario-15.jpg

Apresento-vos a história deste estacionário feito à medida para a Inês, o Pedro e a Margarida.

A Inês contactou-me e disse que queria um convite com uma ilustração da filha de 1 ano, a Margarida. Ela queria que fosse a pequena Margarida a convidar para o seu batizado e casamento dos pais. Pediu-me também que o convite tivesse apenas duas flores - margaridas (alusivo ao nome da Margarida), e papoilas (porque o pai sempre a chama de "A minha Papoila!").

A ilustração foi feita com aguarelas sobre papel, e o original vai viver no quarto da Margarida.

Safari Alentejano

Badoca-1.jpg
Badoca-2.jpg
Badoca-4.jpg
Badoca-5.jpg
Badoca-8.jpg
Badoca-7.jpg
Badoca-6.jpg
Badoca-9.jpg
Badoca-13.jpg
Badoca-12.jpg
Badoca-20.jpg
Badoca-15.jpg
Badoca-22.jpg
Badoca-26.jpg
Badoca-29.jpg
Badoca-32.jpg

Hoje o dia foi passado no Badoca Park, o safari alentejano. Nós os três a desfrutarmos de momentos em família.
O Valentim disse que queria sentar-se nos bancos da frente do "comboio-trator" que nos levou a fazer o safari pelo parque, para vermos os animais de perto. Resultado - a viagem inteira a levar com pó na cara.
As girafas comiam folhas das árvores ali bem próximas do nosso trator. Os gnus e as avestruzes protegiam as suas crias e o tigre macho desfilava vaidosamente para que apreciássemos a sua beleza.
Hoje aprendemos muito sobre alguns destes animais.
Passeámos pela quinta pedagógica onde o Valentim encontrou um pónei bebé e o alimentou.
Foi divertido e também muito cansativo, principalmente para o Valentim.
Mas as melhores coisas da vida estão sempre camufladas em coisas muito discretas, como aquele momento em que estávamos sentados a assistir à apresentação dos lémures, e o Valentim carinhosamente começou a passar a mão pelo braço da senhora que estava sentada ao nosso lado. Assim sem mais nem menos. Sem conhecer aquela senhora, sem nunca sequer a ter visto antes. E eu ali a admirar a personalidade do meu rapaz, tão querido e carinhoso com os que o rodeiam (principalmente com os adultos).

Um Fim-de-semana só para nós os três

Finalmente um fim-de-semana sem casamentos para fotografar (desculpem-me os nossos queridos noivos, não é que não goste de vos fotografar, mas já andava a chorar por um fim-de-semana a três há muito), e este sábado decidimos levar o Valentim a conhecer o Oceanário de Lisboa.

Podia ficar aqui sentada durante horas a olhar para este aquário azul gigante - se não tivesse que andar sempre a correr atrás do Valentim (estava elétrico neste dia)!

E cá está o nosso tão querido amigo Nemo (querido dos papás, porque o pequeno V. nunca viu o filme do Nemo - e talvez esse seja o próximo programa a três).

Este miúdo que eu adoro, sempre com medo da água. Não gosta nem de salpicos na cara. Quando saímos do oceanário e lhe perguntámos do que mais tinha gostado ele respondeu:
"Carrossel!!"

Days like this...

20170705-DSCF1082.jpg
20170705-DSCF1081.jpg
20170705-DSCF1099.jpg
20170705-DSCF1097.jpg
20170705-DSCF1105.jpg
20170705-DSCF1121.jpg
20170705-DSCF1125.jpg
20170705-DSCF1091.jpg

Nestes dias de Verão, o que sabe mesmo bem é passar tempo com este piolho, comprar-lhe gelado de morango  e vê-lo correr atrás dos pombos pela Avenida Luísa Todi.
Este dia fez-me lembrar deste há 2 anos atrás (e pensar como o tempo passa depressa).

In these summer days its so good to spend time with this little bug, buy strawberry ice cream and watch him chase after the pigeons on Luísa Todi Avenue.
This day reminded me of this, 2 years ago (and think like time passes quickly).

On my desk

20170428-_ROD4642.jpg
20170428-_ROD4668.jpg

Para quem me segue nas redes sociais já deve saber que recentemente comecei um projecto pessoal sobre os trajes e tradições portuguesas.

Hoje partilho aqui no site algumas imagens do processo de uma ilustração que faz parte desse projecto. Esta ilustração é inspirada nos tradicionais bordados de Castelo Branco, e foi realizada como ensaio para uma ilustração de uma bordadeira da província da Beira Alta (que eu irei partilhar aqui no site mais tarde).

Papel: Arches Hot Pressed 300g/m2 | Aguarelas: Winsor & Newton e Sennelier | Pincéis: Daler Rowney Graduate nº1 e pincel chinês de caligrafia.

English Version

For those who follow me on social networks already know that I recently started a personal project about Portuguese costumes and traditions.

Today I share here on the site some images of the process of an illustration that is part of this project. This illustration is inspired by the traditional embroideries of Castelo Branco, and was made as a study for an illustration of a embroiderer from the province of Beira Alta (which I will share here on the site later).

Paper: Arches Hot Pressed 300g/m2 | Watercolors: Winsor & Newton and Sennelier | Brushes: Daler Rowney Graduate #1 and Chinese calligraphy brush.

Days in Alentejo

20170509-_ROD9198.jpg
20170509-_ROD9202.jpg
20170509-_ROD9211.jpg
20170509-_ROD9226.jpg
20170509-_ROD9242.jpg
20170509-_ROD9232.jpg
20170509-_ROD9236.jpg
20170509-_ROD9239.jpg
20170509-_ROD9245.jpg
20170509-_ROD9248.jpg
20170509-_ROD9252.jpg
20170509-_ROD9256-2.jpg
20170510-_ROD9273.jpg
20170510-_ROD9302.jpg
20170510-_ROD9438.jpg
Photos by Rodrigo Silva

Photos by Rodrigo Silva

Já não é novidade que por cá somos grandes apaixonados pelo campo, pelas paisagens em tons de verde e amarelo que se estendem pela estrada fora, pelo silêncio das cabras a balir e dos cavalos a relinchar. Desculpem-me, portanto, se encho tantas páginas deste meu diário visual com tantas fotos de escapadelas que damos até o Alentejo. Não é que não queiramos mostrar outros destinos, mas por cá o trabalho tem sido tanto que ainda não conseguimos dar-nos ao luxo de nos afastarmos para outros destinos tão desejados. talvez no final do ano. Até lá, resta-me apreciar (e com prazer) o que por cá há de bom.


English Version

It is no longer surprising that we are passionate about the countryside, the green and yellow landscapes that extend along the road, the silence of the goats and the horses to whine. Forgive me, therefore, if I fill so many pages of my visual journal with so many photos of trips that we make to the Alentejo. It's not about don't want to show other destinations, but here the work has been so much that we still can not afford to move away to other destinations so desired. Maybe at the end of the year. Until then, I can enjoy (with pleasure) what is good in here.